5.12.17

all i can ever be to you
is a darkness that we know
and this regret i got accustomed to

4.12.17

23.11.17

um livro de gelo e fogo

comentei no instagram recentemente que com 7 anos de atraso finalmente o vírus game of thrones me pegou. fiquei tão fissurada ao assistir as três últimas temporadas que tive que voltar pro começo e ver tudo de novo apenas pra compreender que porra tava acontecendo. porque quando eu vi pela primeira vez achei um sacooooooooo vi as três primeiras temporadas meio por obrigação e só pirei na storyline da khaleesi - achei todo o resto mega boring e mega xena a princesa guerreira meets senhor dos anéis, e eu odeio senhor dos anéis.

mas a verdade é que xena a princesa guerreira era massa pacas, e eu descobri esse lado de game of thrones com um certo atraso mas tudo bem porque agora tô pagando pelos meus pecados só falo dessa série só faço referência dessa série só menciono personagem dessa série então, né, bem feito, melzinha, o mundo da voltas queridinha.

aí que dessa vez tô achando a parte da khaleesi a mais chata. a mais boring previsível e ela, por incrível que pareça, o personagem menos esférico da série toda. todo o caminho que ela percorre na série é fácil de prever, a gente nunca acha que ela vai acabar se desviando e, pimba, ela nunca se desvia mesmo. já os outros personagensssss........... vish mulék

e eu só pude perceber isso porque eu JÁ assisti e série e JÁ sei o que vai acontecer, o que torna prestar atenção no caminho muito mais legal: dá pra pegar sutilezas, dá pra pescar as dicas que a narrativa vai dando de coisas que acontecerão no futuro, dá pra entender as motivações das ações e suas consequências. BEM melhor. e a história da khaleesi, bom, é uma história só. já a da arya, da sansa, do tyrion, do jaime, da cersei, e até do jon snow, quem diria, são na verdade várias histórias, que se encontram e desencontram e se esbarram e se desvencilham e no caminho a gente se perde, acaba tendo que voltar umas casas, avança de novo, muda de amizades de amores de crenças quebra juramentos faz juramentos mente fala a verdade mas ninguém acredita TANTA COISA ACONTECENDO e enquanto isso uma outra história, uma narrativa central que liga todas as outras, que a gente também acompanha. a khaleesi acaba encontrando as outras histórias também, mas a linha dela é tão........ reta. sabe? ela é a mesma pessoa no fim que era no começo. já a arya, a sansa, o tyrion, o jaime, a cersei, e até o jon snow, quem diria, são completamente mudados pelos seus caminhos e tropeços.

(eu não acredito em spoiler. quem tem medo de spoiler é quem consome narrativa ruim, falei, sorry not sorry)

aí que decidi ler os livros. sim, OS livros, não vou nem fingir que não tenho um objetivo claro de terminar todos antes do fim do ano.

e gente.

gente.

se rever a série tá sendo bom, ler os livros tá sendo me jogar num universo gigantesco sem previsão pra voltar. sério. acho que a leitura é bem mais fácil pra quem já assistiu a série, confesso. talvez se eu tivesse tentado ler sem já saber quem são os personagens e o que acontece eu desistisse, porque não é fácil keep up com tanto personagem tanta intriguinha tanta fofoca.

mas gente.

gente.

é tão enriquecedor. acho que especialmente porque eu já conhecia os personagens e tô amando realmente mergulhar nessas pessoas e em suas vidas.

winterfell, gente.

winterfell é construída em cima de águas termais, acho que as únicas águas termais do norte inteiro? o castelo tem a água quente da natureza passando por suas paredes o tempo todo, então apesar do norte e da neve e do frio, dentro da casa dos starks sempre está quente. eles sempre tem água quente pra tomar banho, o chão tá sempre quentinho.

é uma loucura ver o choque, o baque, quando esses personagens de winterfell se espalham pelo resto do continente. o jon snow sai de um castelo lindo, grande, confortável e QUENTE pra um que está, literalmente, desmoronando: há partes de castle black sem teto e a torre que jon escolhe pra morar (ele pode escolher livremente porque a quantidade de homens no castelo é um décimo do que já foi, e todos os quartos estão vazios) está abandonada porque está tipo a torre de pisa, caindo. jon quer ficar lá todo sozinho fazendo seus biquinhos e dizendo que tá chateado pro seu lobo ghost porque ele é um mimadinho com síndrome de vira-lata que se acha melhor que todo mundo lá - em winterfell ele era o bastardo e sempre se sentiu injustiçado e deixado de lado, mas só depois de ir pra castle black ele percebe o quanto ele foi mimado, o quanto ele foi privilegiado, o quanto ele sabe e tem a mais do que os outros garotos lá. mas antes de ele entender isso ele fica reclamando pelos cantos que tá no meio dessa escória onde já se viu. (detalhe: eles tem todos, tipo, 14 anos?)

já o stark pai, nedinho querido, tá sofrendo horroooooores na capital: todo mundo conversa sempre parecendo que tá tentando de algum jeito de ameaçar, ele tem que conviver com os lannisters loucos por sangue que tentaram matar seu filho como se estivesse tudo bem, e, gente, O CALOOOOORRRR. coitado desse homem. ele tem que vestir sedas pra ir às reuniões do conselho do rei, e ele volta dessas reuniões ensopaaaaaadooooo com as sedas grudando no corpo.

me lembrou um pouco o primo basílio (6 também tiveram que ler pro vestiba? quem aí lembra?), que se passa no alto verão em portugal e todos os personagens reclamam o tempo todo do calor e dizem estar moles moles..... é uma moleza só, todo mundo com preguiça, todo mundo suando e desconfortável (imagina as roupas, né), e esse desconforto todo meio que contribui pra todas as intrigas que acontecem - a preguiça, o calor, o tédio, tudo isso faz a gente agir meio estranho e dá vontade de dar uma agitada na vida social com fofoca e adultério....... parece muito game of thrones, gente, será que r.r. martin leu eça de queirós?

e o calor, gente, é quase um personagem no livro. na série a gente ouve todo que winter is coming e a gente vê o rolê doido lá do outro lado do murão, mas no livro o calor que tá fazendo é meio que um sinal dos tempos. então não é que winter is coming porque alguém tá tendo uma intuição. historicamente o último ano do verão é o mais quente.... e quanto mais quente o verão, pior o inverno. o verão do momento tem sido um dos mais quentes dos últimos tempos, e o ano em que a história começa é o ano mais quente desse verão. ou seja..... presságios de um inverno que vai chegar logo e não será misericordioso.

e essa presença tão forte do clima na narrativa, essa luta entre um verão escaldante e um inverno assassino, deixam o título da série de livros muito mais significativa, né? a song of ice and fire. tantas maneiras de interpretar esse título uma vez que você se aventura por esse livros.

ai, gente, ler é bom d+, né?

vocês que me desculpem quem disse que uma foto vale mais que mil palavras........ prefiro mil palavras mil vezes.

(mas se você prefere séries e filmes, um tempo atrás eu escrevi esse outro post aqui sobre game of thrones, bandas preferidas, séries inglesas e coincidências e, devo dizer, é uma das minhas obras primas bloguísticas)